ALTA da taxa de energia de até 9% poderá aquecer projetos de energia solar em Chapadão do Sul. Conta mensal é coisa do passado

Publicada em 11/01/2018, lida 286 vezes.

      Apesar da recente entrada em vigor da bandeira branca e de um ano de queda nos reajustes da taxa de energia elétrica em Mato Grosso do Sul, 2018 deve ter impacto negativo nas contas do consumidor. A expectativa de especialistas em economia é que haja ao menos dois reajustes, ambos acima da inflação. Em Dezembro de 2015 foi instalado o primeiro sistema de captação de energia solar residencial que ZEROU o consumo mensal de energia no final do mês na casa da rua I, número 26, no Bairro Esperança, em Chapadão do Sul. Depois disso vieram outras instalações em prédios públicos e propriedades rurais no município.  Informações pelos fones  (67) 99913-4820   / 98103-0152   /  98404-0232.    

TARIFAS - Segundo levantamento da consultoria especializada TR Soluções, as tarifas de energia devem subir, em média, 9% neste ano. A projeção vale para todas as classes de consumo de 40 distribuidoras, que reúnem 97% do mercado brasileiro de distribuição de energia elétrica, incluindo a Energisa, concessionária que atende a maioria dos municípios de Mato Grosso do Sul.

ENERGIA SOLAR EM CHAPADÃO DO SUL - Os consumidores - mesmo residenciais - buscam sistemas que captam a radiação solar e convertem em energia elétrica, com autonomia suficiente para abastecer completamente uma residência ou comércio. É um antigo sonho diante da crescente crise mundial de energia, tarifas cada vez mais elevadas e os danos ao meio ambiente com a construção de usinas hidrelétricas. Eficientes, de fácil instalação, relativamente compactos e muito duráveis, os sistemas de produção de energia solar são uma alternativa para quem deseja fazer economia.   

AUMENTO - O aumento do encargo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e o custo da energia – pressionado pelo risco hidrológico – devem ser os principais fatores por trás das variações das tarifas em 2018 deve ter um impacto médio de 3,7% nas tarifas.  No caso das distribuidoras que passam por revisão tarifária, também deve pesar o repasse, aos consumidores, da remuneração dos ativos de distribuição. 

NO BOLSO - O aumento será mais significativo nos submercados Sul, Sudeste e Centro Oeste, chegando a uma média de 6% para os consumidores em alta tensão das distribuidoras dessas regiões. O porcentual é superior ao divulgado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) – de 2,14% – porque a análise da TR considera também o componente financeiro do aumento no encargo, não apenas o econômico. 

ALTA da taxa de energia de até 9% poderá aquecer projetos de energia solar em Chapadão do Sul. Conta mensal é coisa do passado

Comentários desta notícia